Recomendação do Recanto




"Não subestime o desprezo absoluto das pessoas. Tornar-se um pária não é fácil. As pessoas acreditam que o diabo é Satan. Ignoram que o mundo é muito mais antigo que o cristianismo. Tudo para essas pessoas ignorantes é coisa do “diabo”. E julgam, recriminam e segregam. Ainda que isso seja um pecado diante de Deus. Porém, estranhamente é exatamente esse comportamento hipócrita e preconceituoso que a Igreja incentiva. É tudo tão absurdo. E afinal o que são os pecados? É uma maneira de controle do ser humano, de condená-lo, de inserir culpa pelos seus desejos naturais, de submetê-lo, de castrar seus pensamentos. É tudo tão ridículo."

Entre em contato!



Dúvidas? Opiniões? Ofensas pessoais? Gostaria de trabalhar conosco ou colaborar com suas produções?

Entre em contato!

recanto_do_opositor@hotmail.com

Firefox



Firefox

Satan usa Firefox. Todo o Inferno usa Firefox. Aceite-o como seu único navegador.

Satanismo, Black Metal, e um pouco de mais do mesmo...

Escrito por Recanto do Opositor

O título já diz tudo e bem, por mais saturado que esteja o assunto, como este blog tem como o intuito tentar desfazer, à sua forma, a imagem ruim que o Satanismo possui cá no Brasil, bem como no mundo, seria válido que eu deixasse aqui minha opinião com relação ao tema, não para encerrar a discussão, mas apenas para colocar alguns dados que para mim valem mais que achismos...

Primeiramente, digo que da mesma forma que tenho o Satanismo como minha religião, tenho também o Black Metal como um dos estilos musicais que aprecio. Devo dizer que também não sou o seu porta bandeiras... Gosto apenas de algumas bandas, não muitas, e dou muito mais importância ao som que fazem àquilo que estão a dizer com suas letras... E é exatamente este o ponto de partida para estabelecermos quaisquer possíveis pontes entre Satanismo e Black Metal.

Do que falam então os versos do Black Metal? Ódio, dor, raiva, escuridão, sofrimento, angústia, guerra... Até então sem problemas, afinal, muitos destes elementos não pertencem somente ao estilo em questão. Entretanto, há duas temáticas, intrinsecamente relacionadas, que fazem jus, a princípio, ao adjetivo "satânico", que não raramente qualifica o tal do Black Metal. São elas o anticristianismo e a adoração ao personagem bíblico do Demônio, Capeta, Cramunhão, ou seja lá o que for.

Ou seja, como se não fosse suficiente a crítica por si só aos preceitos cristãos, tão vigentes em nossa sociedade bem como no resto do mundo, há ainda uma inversão destes valores, que se manifesta justamente a partir do momento que temos uma considerada importância dada por parte dos músicos à imagem da entidade cristã. E claro, esta importância é claramente percebida não somente em letras, mas nas posturas do artistas, em suas vestimentas, acessórios, e por aí vai.

E já que comecei a falar sobre coisa ou outra que vá além das letras, seria parcial demais eu deixar de lado aqui determinados fatos que só "apimentam" mais a questão. Refiro-me às atitudes de intolerância extrema ocorridas ao longo do mundo, principalmente na Noruega, "província" do Black Metal. Trata-se de queimar Igrejas, destruir objetos sacros dos cristãos, e outras formas de vandalismo. E não se trata de invenção, qualquer um pode ir a qualquer site de buscas e encontrar matérias que tratam justamente destes lamentáveis ocorridos...

Bem, partindo do que já foi dito, fica a pergunta: adoração e utilização constante da figura de um mito bíblico, bem como a inversão dos valores cristãos, é Satanismo? A resposta é sim e não.

Digo que sim, pois, infelizmente, ainda há, de forma extremamente abrangente, dois tipo de "Satanismo" (ênfase nas aspas). São o Satanismo cristão, e o Satanismo dito "Tradicional". A distinção entre os dois não será tratada aqui por agora, até pelo fato de que, no ponto em questão não se faz tão necessária. O que importa é que ambas as posturas nos remetem à crença em uma entidade exterior ao indivíduo, ora sendo simplesmente o monstrinho de chifres do inferno, ora sendo alguma coisa mais como "forças ocultas", "poderes da natureza negra", e outras malvadezas do tipo... Sendo assim, há motivos mais que plausíveis para classificar o estilo como um estilo Satânico, partindo de tais "satanismos". Partindo, claro, mais do cristão do que o dito Tradicional, uma vez que este último, não se limita a uma simples adoração, possuindo conceitos mais específicos, e que bem, não são explorados de forma tão explícita nas letras de Black Metal. Por exemplo, não costumo ver nelas termos como "caminho septenário" ou ainda "nível causal/acausal"... É muito mais a pura e simples adoração da entidade bíblica mesmo...

Entretanto, por outro lado, nada do que foi dito aqui até agora constitui-se como elemento pertencente à doutrina difundida por LaVey. Muito pelo contrário... E é justamente aí que entra o "sim" da resposta...

O Satanismo em sua essência é muito mais que uma inversão cristã, ainda que na Bíblia Satânica tenhamos, como artifício de "iniciação" e retórica, um grande conjunto de críticas ao cristianismo. Mas há uma enorme diferença entre propor algo novo ao invés do cristianismo, e simplesmente invertê-lo. Vamos muito, mas muito além disto, e não ficamos, em momento algum, numa simples e pequena adoração a um mito cristão. Se não somos seguidores da Bíblia (não a Satânica!), por qual motivos levaremos adiante uma crença que ela propõe? Se não acreditamos em seu Deus, por qual motivo acreditaríamos em seu diabo?! Isto realmente não faz o menor sentido...

Além disto, também não vemos explicitamente conceitos satanistas. No máximo podemos reconhecer ponto ou outro que se assemelha, ou que nos remete a idéias contidas na religião Satanista, mas não é algo que se manifesta de forma emblemática, não ao ponto de dizermos "oh, isto é totalmente Satanista, parece até LaVey falando". O que ocorre, como já colocado, até mesmo com relação à dogmática proposta por ONA e companhia, nos levando a ter mais uma vez, muito mais inversão e adoração ao diabo, do que próprias idéias de sistemas religiosos em si.

O que deve-se dizer então dos atos de vandalismo? Nem precisa falar muito... Se buscamos ser respeitados, não devemos desrespeitar os outros. Ora, se pregamos justamente a liberdade individual, no que diz respeito às crenças, bem como todas as ações pessoais, como poderíamos ser a favor da intolerância! Este foi um dos maiores erros do cristianismo, e continua sendo! Por qual motivo estaríamos em um plano tão baixo e mesquinho de pensamento?! Não estamos. Nossa mente, liberdade e força, são muito maiores do que você acha que eu devo e preciso fazer. Satanismo não é intolerância, é liberdade, ainda que muitos não passem de bitolados sedentos por auto-afirmação que nada mais são senão cristãos desiludidos e que de alguma forma continuam a depender das palavras sagradas para manter um rumo em suas vidas...

Ainda há um outro ponto, de cunho mais musical e artístico, que deve ser comentado. Quem por algum acaso tem a ousadia e a prepotência de ditar como deve ou como não deve ser o Black Metal? Ninguém. Black Metal para ser Black Metal não precisa ser Satânico, cristão, budista ou espírita. Uma forma de expressão artística tão única quanto a música não pode se prender a limitações, rótulos, ou manuais feitos por imbecis. Eu não sou contra nomear estilos, muito pelo contrário, acho até interessante uma ou outra classificação, agora, não se pode por conta de tal limitar a música!

Por qual motivo estou falando disto? Simples. Quando afirmamos que o Black Metal é "Satânico", estamos simplesmente fazendo uma limitação, extremamente ordinária. Quer dizer então que toda e qualquer banda de Black Metal tem necessariamente de falar sobre as mesmas coisas, de portar-se da mesma forma, e de manter a mesma estética de sempre? Ora, estamos a tratar de uma manifestação artística, e não de uma fórmula, ou de um conjunto de regras! Há bandas do estilo que nem ao menos utilizam a palavra Satan, ou Demônio, em suas letras, e isto não faz com que ela se distancie do elementos característicos do Black Metal.

Há ainda uma outra posição a ser tomada quando pensamos no tema em questão, que é a de encarar toda a manifestação Black Metal, tanto em letras quanto em estética, como um grande teatro. Não que isto seja bom ou ruim, é apenas, pura e simplesmente, a forma que o estilo encontrou para se expressar. É uma realidade criada naquele contexto musical e que não necessariamente denota os hábitos de vida e as opiniões dos artistas envolvidos. Esta questão é bem explícita quando pensamos, por exemplo, em um dos "irmãos" do Black Metal, o Death Metal. Algumas de suas letras tratam de sangue, decapitação, mutilação, dor, morte, sofrimento... Mas ora, isto não significa que seus autores saiam por aí cometendo atrocidades...

A generalização nunca é um dos melhores caminhos... Dizer que tanto artista quanto fã do meio Black Metal é necessariamente um adorador do diabo não nos leva a nada, pelo contrário, só nos distancia da realidade. É o mesmo que dizer que os criadores de Doom (clássico jogo para PC) eram sanguinários e que todos os seus jogadores sairiam por aí matando a todos... Ainda que tivéssemos na história registro de um imbecil que na vida real decidiu fazê-lo, segundo ele, tendo sido influenciado pelo jogo...

Em suma, o que se pode dizer a respeito do tema, tendo em vista tudo o que foi dito é que Black Metal tem muito mais de inversão cristã e adoração à entidade Bíblica, do que de conceitos definidamente relacionados ao Satanismo, ou ao "Satanismo" dito "Tradicional". E que o mais razoável a se fazer é compreender o estilo, não como somente um estilo, pois isto não é pouco, mas sim da forma que ele é, sabendo separar o teatro da vida real. É claro que temos alguns personagem desta história que acabam por não fazer esta diferença. Pessoas que incentivam a intolerância, que cometem crimes, que difundem suas ideologias "do mal"... Mas neste caso, vai do pensamento de cada um analisar tais posturas e concluir se estas são válidas ou não para si. Se algumas pessoas "vivem" o Black Metal, você pode optar por simplesmente apreciá-lo. Ou, não, claro. Se amanhã você acordar meio "satânico" e decidir queimar uma Igreja, vá em frente! Eu mesmo assino seu atestado de imbecil, e, queira Deus (sim, ele mesmo!) que as autoridades locais tomem as devidas providências, e que você, com seus longos cabelos e sua maquiagem, faça a diversão dos presidiários...!

5 Comments

  • gravatar
    Comment by Madame Morte

    Hahaha,adorei o final :p

    Não há muito mais a ser dito quando você sempre toca em todos os tópicos possíveis,rsrs...Mas com ovocê mesmo escreveu,é tud oquestã ode saber diferenciar e entender as coisas.Aí já entram questões de maturidade e bitolação...

  • gravatar
    Comment by Leon

    Texto foda, cara. Vi no Whiplash e tive q vir aqui comentar.
    Muito bem escrito e de facil entendimento, ate pra quem nao conhece nada de black metal ou de satanismo (o segundo, meu caso).
    Com relaçao ao q vc chamou de "Satanismo cristao", eh compreensivel q aconteça em paises como a Noruega, onde os valores cristaos foram plantados com extrema violencia e desrespeito à cultura (antes) tradicional do local. O repúdio a cultura cristã se torna apenas a "inversão de valores", e nao o Satanismo em si.
    Tambem há muito marketing. A midia sensacionalista (em todos os lugares, mas sobretudo na Noruega) popularizou o black metal e o "Satanismo cristão" no inicio da decada de 90 por causa dos incendios às igrejas e acabou criando um estereotipo dificil (impossivel?) de ser quebrado.
    Recomendo o documentario Satan Rides The Media: http://arapongasrockmotor.blogspot.com/2009/01/burzum-satan-rides-media-1998.html
    E parabens pelo texto, Muito bom e esclarecedor mesmo!

  • gravatar
    Comment by LEANDRO MOZART

    Olá Vítor, li o texto originalmente postado neste blog no site Whiplash. Sou um apaixonado por música pesada (e seus diversos afins, inclusive o Black Metal), sou cristão (inclusive pastor batista), tenho 36 anos e moro em Vitória-ES. Amei o seu texto! PARABÉNS! Você tem razão, o cristianismo histórico, mais precisamente o cristinismo institucional, é marcado pela intolerância. Inclusive me refiro à intitucionalização religiosa, pois tanto o cristianismo romano e ortodoxo, como o protestante, são marcados por esta mesma ênfase. Afinal, estamos no século XXI e vemos as mesmas afirmações de lideranças cristãs constituídas. Contudo, sou cristão pelo contato íntimo e direto com o texto bíblico (mais precisamente os evengelhos e os atos pessoais de Jesus de Nazaré). Por isso, assim como você que defende com firmeza e convicção sua crença satanista, tenho consciência segura e firme do cristianismo bíblico, que é em sua essência, marcado pelo altruísmo e não pela intolerância que se tornou sua marca maior ao longo dos séculos, infelizmente. Vítor, parabéns por sua explanação clara, valorizando a arte, a música, e mostrando coerência em sua compreensão satanista baseada na liberdade individual. Fico encantado com pessoas como você que são capazes de ir além, muito além da retórica vazia, da mesmice, das falas religiosas baratas e sem fundamentos. Sucesso a você!

  • gravatar
    Comment by Manindoubt

    Ótimo post, obrigado. Realmente a pessoa deve ter discernimento e saber o que decdir fazer em suas ações, mas creio que se ela gosta de tal ramo, ela poderia ser influenciada sim a cometer coisas negativas.

  • gravatar
    Comment by Unknown

    sempre vi no black metal uma sensacao de liberdade,tal como se vc ver a palavras de Marylin Manson refletem muito bem o que vc disse parabens